PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS: Uma avaliação da política pública de internacionalização do ensino superior sob a perspectiva do Paradigma Multidimensional

Resumo

Este trabalho propôs-se a desenvolver uma modelo de avaliação educacional, aplicado ao Programa Ciências sem Fronteiras, a partir do Paradigma Multidimensional. Para tanto, fez-se um diagnóstico multidimensional do programa, que foi um dos carros-chefes do governo Dilma Rousseff e que teve como investimento cerca de R$ 3 bilhões em sua primeira fase, a partir da análise das atas dos Conselhos Superior e Técnico Científico de Educação Superior da CAPES, da pesquisa DataSenado que avaliou a percepção dos bolsistas e de questionário aplicado aos coordenadores institucionais nas Instituições de Ensino Superior. Em seguida, foram estabelecidos indicadores de eficácia, eficiência, efetividade e relevância, a partir da literatura e dos documentos de área da CAPES, para uma avaliação do programa, com vistas a subsidiar o planejamento e formulação das intervenções governamentais, o acompanhamento da implementação da segunda fase, suas reformulações e ajustes, bem como as decisões sobre a manutenção ou interrupção das ações, de forma a melhorar a eficiência do gasto público, a qualidade da gestão e o controle sobre a efetividade da ação do Estado. Ao se aplicar o modelo proposta, verificou-se que o programa é pouco eficaz e eficiente, embora seja bastante relevante. Quanto à efetividade, não se pôde medir devido à falta de dados.